Um blogue sobre turismo, o destino Porto e o terminal de cruzeiros de Leixões

....Um blogue sobre turismo, o destino Porto e o terminal de cruzeiros de Leixões.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Um pouco da história do transporte de passageiros no Porto de Leixões

Segundo Alves e Sousa (2002), até à década de 1950 o movimento de passageiros em Leixões era caracterizado essencialmente por fluxos emigratórios, com destino transatlântico. Já na década de 1950 este movimento tornou-se cada vez mais intra-europeu, o que, juntamente com a revolução do transporte aéreo e do facto dos grandes navios transatlânticos não conseguirem entrar no porto, fez com que o número de passageiros em Leixões diminuísse.
Alves e Sousa (2002) referem ainda que, com o objectivo de permitir a Leixões um novo posicionamento no mercado de passageiros procedeu-se à construção de uma estação de passageiros, com projecto da autoria dos arquitectos Francisco Figueiredo e Fernando Távora, e com execução directa da APDL. A construção da estação de passageiros decorreu em 1957-1958, tendo sido inaugurada a 8 de Abril de 1961.
A construção da nova estação de passageiros foi muito importante, o que juntamente com o crescimento das docas, se reflectiu num incremento do fluxo de passageiros, sendo o Norte do país o principal ponto emissor de emigrantes, que nesta altura também já tinham como destino o Ultramar Português (Alves e Sousa, 2002).
A estação de passageiros de Leixões encontra-se situada na Doca 1 Norte do Porto de Leixões, ocupando uma área de 840m2 sendo o seu edifício, com uma construção em madeira similar ao casco de um navio, um exemplar arquitectónico dos anos 60, estando classificado como Património Arquitectónico da cidade de Matosinhos (APDL, 2011).

1 comentário:

  1. Parabéns pela iniciativa! Deveras um espaço de grande interesse. Os cruzeiros não só se trata de ver e fotografar navios, é sempre bom conhecer o lado teórico destes, o que faz funcionar esta industria que tem passado ao lado das crises.
    Vou adicionar link à minhas de blogues.

    Cumprimentos,

    João Abreu.

    ResponderEliminar